Como um rio pode ser despoluído natualmente?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Despoluição de rios é possível

Frequentemente somos questionados se existem meios de despoluirmos os rios da Região Metropolitana de São Paulo. Entendemos que há métodos, modelos e exemplos para serem avaliados e implementados, o que não podemos admitir, é não ser realizado nada de efetivo para recuperação dos recursos hídricos que dispomos.

Com o objetivo de incrementar o universo de possibilidades, identificamos um exemplo muito interessante de como despoluir rios. Trata-se da revitalização do Canal Paco, nas Filipinas, exemplo de descontaminação com engajamento, ousadia e baixo custo.

A poluição dos rios que cortam as cidades configura um dos mais graves problemas de saúde do planeta. Os cursos d’água urbanos recebem esgoto (doméstico e industrial), e também resíduos de toda ordem, oriundos da chamada poluição difusa.

Os custos para a despoluição são altos e envolvem processos demorados, cujos resultados muitas vezes não ocorrem na mesma geração. Por isso mesmo, os projetos de despoluição requerem excelência profissional, seriedade administrativa, envolvimento, empenho e firme compromisso do poder público e do setor privado, além do apoio e participação de toda a comunidade.

Toda essa complexidade, no entanto, permite iniciativas criativas e não impede que se busque novas fórmulas alternativas, desde que envolvidas em firme compromisso.

Chama atenção este projeto audacioso e pioneiro hoje em curso nas Filipinas.

Criado e executado pela empresa privada escocesa, o projeto demonstra que é possível despoluir um rio com baixo custo e vontade política.

O Canal Paco era considerado irrecuperável, um esgoto a céu aberto. Hoje, é referência positiva na paisagem de Manilla – Capital das Filipinas.

A empresa desenvolveu um sistema de tratamento de água ecológico, de fácil implantação em rios, canais e lagos contaminados.  O projeto não apenas processou a recuperação do Canal Paco, mas também transformou todo o entorno do curso, meio físico e comunidade.

O sistema implantado consistiu na instalação de “jardins flutuantes” – ilhas artificiais de aproximadamente 110 m², cobertas por plantas aquáticas capazes de filtrar os poluentes sem a utilização de produtos químicos.

O custo da despoluição por esse sistema é menor que a metade do custo com estações de tratamento de águas residuais convencionais, devido à integração e ativação do ambiente fluvial circundante.

O sucesso do empreendimento de descontaminação, no entanto, deveu-se a dois fatores essenciais: 

  • 1- obras de infraestrutura para evitar o despejo de resíduos no local e
  • 2- instalação de um reator de aeração, capaz de adicionar ar à água e introduzir no ecossistema uma bactéria que se alimenta de poluentes.

O apoio efetivo do Poder Público e o engajamento da comunidade local para o processo natural de restauração da biodiversidade do canal produziu resultados mais rápidos que qualquer outro sistema convencional utilizado atualmente.

O tempo de construção das ilhas artificiais, ao contrário das obras civis de concreto, é medido em semanas, em vez de meses.

Ver as fotos do canal Paco hoje e como era antes da implantação do sistema, nos remete ao mesmo problema hoje enfrentado pelos rios, lagos e canais das grandes cidades brasileiras.

O problema, no caso do Brasil, é a enorme indefinição de objetivos e métodos. Outro fator que impressiona é o preconceito dos agentes públicos face a tudo que é novo, ainda que não atenda a todos os requisitos pretendidos.

O sistema de aeração no canal, para introdução de bactéria, por exemplo, já foi pretendido e rejeitado na Cidade de São Paulo – no canal do Rio Pinheiros, proibido por medida judicial…

Talvez, observando o que outros países emergentes têm conseguido, no campo da despoluição e recuperação ambiental, nossos dirigentes e os diversos atores sociais percebam que o novo faz parte da busca para o desenvolvimento sustentável.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Peixes no Rio Pinheiros?

Durante os últimos dias, muitas pessoas compartilharam vídeos de alguns cardumes de peixes no Rio Pinheiros.⠀Será que esses vídeos são reais?⠀É possível um rio tão

Leia mais »